PUBLICIDADE

Topo

Histórico

Tem que ser perdoado? O que Biel deveria aprender com Felipe Neto

Universa

17/09/2020 04h00

Biel era um adolescente quando surgiu a acusação de que ele assediou uma jornalista durante uma entrevista, em 2016. Durante a conversa, gravada, ele a chamou de gostosinha, disse que a "quebraria no meio", ofereceu selinhos. 

Depois, ao se defender, ele não pediu desculpas. Apenas disse que não entendia porque ela não levou tudo na brincadeira. Gostoso, né? O cara diz o que quer e quem se ofender que entenda que era brincadeira.

Veja também

Depois se envolveu em agressão com a então namorada, Duda. Tinha uma pressão para que eles voltassem a namorar, inclusive, mesmo depois dessa treta toda. Aí sim, pediu desculpas pelas confusões do passado e pediu nova chance — até seu contrato com gravadora foi cancelado após os vexames.

Pois bem, 2020. Biel está em A Fazenda. É sua chance de limpar a imagem, ao vivo todo dia para milhões de pessoas. Mas desde que entrou lá, ele chamou atenção por mais do mesmo: baixou a calça de um colega, passou a mão, chamou a ex de louca, entrou em discussão.

Hoje, o público decide se ele fica ou não no programa, sob inúmeros pedidos de defesa de colegas e fãs. Afinal, o cara tem que pagar para sempre pelos seus erros do passado?

Desembargador e juiz na internet

Jojo Todinho, colega fazendeira de Biel, declarou: "Uma coisa é tomar iniciativa das atitudes dele aqui, outra é jogar pedra por coisa do passado dele. Tem até uma frase que a Andressa Urach falou: 'O passado é lugar de referência, não de permanência'. Você permanece ali se quiser, mas pode tirar daquilo uma mudança. As pessoas têm que evoluir. Na internet, tem muito desembargador e juiz. Eles te julgam e apontam como se nunca tivessem errado".

Está cheia de razão, a gente tem mesmo é que perdoar erros do passado desde que: 1. quem errou esteja arrependido. 2. quem errou pare de cometer os mesmos erros (desrespeitar as pessoas e xingar a ex entre eles).

Felipe Neto e a fé na maturidade

Felipe Neto é um exemplo bom de como o jovem faz coisa errada na internet, mas pode crescer e mudar. Piada transfóbica e homofóbica era recorrente nos conteúdos antigos do Youtuber. Ele percebeu que estava errado. Pediu desculpas. E mais: combate esse tipo de atitude hoje. Influencia seus milhões de seguidores a fazerem o mesmo defendendo essas causas, que antes ridicularizava. O mesmo vale para os palavrões que ele falava em grande quantidade: abolidos, já que seu público é maioria menor de idade. Expressões de cunho sexual também.

Ele estava errado, tinha atitudes condenáveis. Não que tenha assediado alguém, ou agredido outra pessoa, longe disso. Mas se transformou. E prova isso todos os dias. Curioso que depois dessa transformação Felipe Neto receba mais ataques de mães preocupadas com o o conteúdo que seus filhos estão assistindo. Mas isso é outro assunto.

Talvez não seja o caso de Biel no reality, como foi bem lembrado pelo jornalista Leandro Carneiro aqui: ele tem mais chance de vencer sendo esse bad boy. Uma pena. Atitudes assim podem influenciar outras pessoas a agir como ele. E quem perde é a sociedade — ou seja, a gente mesmo. Evoluir é bom demais.

A gente pode falar mais disso no Instagram.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL

Sobre a autora

Luciana Bugni é gerente de conteúdo digital dos canais de lifestyle da Discovery. Jornalista, já trabalhou na “Revista AnaMaria”, no “Diário do Grande ABC”, no “Agora São Paulo”, na “Contigo!” e em "Universa", aqui no Uol. Mora também no Instagram: @lubugni

Sobre o Blog

Um olhar esperançoso para atravessar a era digital com um pouco menos de drama. Sororidade e respeito ao próximo caem bem pra todo mundo.