PUBLICIDADE

Topo

Histórico

Manu Gavassi tira roupa de Chay em clipe e ressignifica traição e boy lixo

Luciana Bugni

22/08/2020 17h59

Estilo clássico, amor para poucos, humor ácido (Reproducão Youtube)

Você imagina o grau de maturidade de alguém que faz um clipe de volta por cima e chama o cara que te fez sofrer (muito) para participar? Manu Gavassi, menina, isso que é ousadia.

Vou dar um resuminho básico para quem tem mais de 30 anos: Manu Gavassi, cantora e atriz que surgiu nos anos 10, foi garota Capricho, cresceu com suas fãs que eram adolescentes e hoje são mulheres maravilhosas que sabem coisas como:

  • a gente não deve odiar as mulheres e tratá-las como concorrentes
  • a gente não deve se submeter a homens infieis só porque eles são homens (ou lindos ou absurdamente lindos)
  • a gente é maior do que qualquer intriguinha (seja pelo crush ou amor da vida)
  • a gente se basta

Depois dessa breve explicação, vamos para a parte prática. Manu participou do Big Brother esse ano e ficou em terceiro lugar. No confinamento, mencionou um relacionamento tóxico, que a audiência logo concluiu ser com o galã global Chay Suede. Eles namoraram até 2013.

Manu já fez música para ele: "Se acordo sozinha, já não sei quem sou. Você virou o meu mundo de ponta cabeça" (Segredo, de 2013). Já fez música contra ele: "Quem diria, você é o galã. Acordava de noite de noite chorando e me pedindo para você não me deixar.  Relaxa, não vou renovar a sua farsa. Seu teatro eu aprendi muito tempo atrás" (Farsa, 2016). E agora, em plena pandemia, levou o próprio Chay e sua atual mulher Laura Neiva para atuar em um clipe da música que chama "Deve ser horrível dormir sem mim".

Veja também

Sim, o boy tóxico está ali, dançando seminu, enquanto ela canta versos como "Deve ser horrível dormir sem mim. Me ver de longe e tão livre assim. Tive que entender e me escolher. Talvez eu seja muito, muito, muito pra você". Eita. Laura concorda. As duas triunfam. Ele segue ali dançando porque interessa a todas. Plau.

No crédito, o nome de Laura Neiva aparece com o aposto: "produtora extremamente linda com um laço no cabelo". Que maravilhosas. O boy lixo, expressão que traz a carga de um vilão, não passa de um menino bonito que precisa de orientação para saber o que fazer (plau de novo).

Pode parecer exagero, mas eu estou pensando nisso há dois dias. Primeiro porque todo mundo tem histórias de traição na bagagem. Mas imaginação fértil para pensar em uma reviravolta desse tipo é para poucos. Concretizar tudo num documento artístico pop é para muito menos gente — Manu acumula quase 4 milhões de visualizações em pouco mais de 24 horas. Dá para dizer que todo mundo quis dormir com ela essa noite mesmo.

Que maturidade, comenta a galera das redes sociais. Eu só tento entender como todos os envolvidos chegaram nesse ponto. Como tenho imaginação fértil também, prossigo e imagino o seguinte diálogo:

– Oi Laura Neiva, Manu Gavassi aqui. Sei, é estranho eu estar te ligando. Mas poxa, passou um tempo, nós duas sabemos que não deveria existir rancor entre nós. Eu tive que entender e me escolher. Aliás, fiz uma música que chama "Deve Ser Horrível Dormir Sem Mim". Não, não tem o tom de vingancinha de Farsa. Na verdade é uma exaltação a mim mesma. Tá, eu até falo um pouco mal de homem na letra, mas o que eu queria te falar é que que eu quero o Chay sem roupa no clipe, fazendo uma dancinha que viralize no TikTok. Tô falando sério. E eu queria você no clipe também, ou nada disso faria sentido. Primeiro para mostrar que é você quem manda. Segundo para ficar muito claro que mulher nenhuma deveria brigar por um boy gato (com cara de quem vai destruir sua vida). E aí, topa? Beleza, vou pedir para a produção te ligar. E página virada, tá? Beijo.

Eu disse diálogo, mas só imagino mesmo a parte da Manu. A da Laura seria uns "Quê?" e o resto só dizendo uhum e concordando com a cabeça. Aí ela desliga o telefone e vai falar com o marido: "Chay, você vai participar pelado de um clipe da Manu Gavassi". Ele também solta um "Quê?" e o resto é só concordar com a cabeça. Foi assim comigo também vendo o clipe: primeiro eu disse "Quê?", depois fiquei só concordando com a cabeça.

O resultado deixou todo mundo exaltando a inteligência da cantora. Até eu já estou achando horrível dormir sem ela mesmo. Manu ensina, de um jeito que pode até viralizar no Tik Tok, algo que é muito difícil para o adulto não-milenial entender. A mulher sozinha pode tudo. Até ter certeza de que é horrível dormir sem ela.

Ela fala de Big Brother, mostra 1984, de George Orwell, toma um drinque, capricha na representividade e ri de si mesma — o tempo todo. E mete álcool gel, máscara, luva numa equipe que finge estar protegida contra a pandemia, mas está meio vulnerável. Ainda de quebra faz um documento histórico dos bastidores do pop nesse ano.

Glória Groove, que faz participação na música, canta que já virou a página de sua história, "chorei bastante mas eu sei que tudo passa, relaxa que eu não vou revelar a sua farsa". Manu faz sinal de sujou, para ela virar o disco. Não à toa, ela passou a interpretar Farsa sem a estrofe em que atacava Laura. Não faz mais sentido mesmo. Não passa de memória.

Manu dá uma aula do que fazer com a dor de cotovelo. Ensina o beabá dançante da mistura de rancor e maturidade — o primeiro não tem muita chance mais. Estamos em 2020 e há problemas maiores lá fora do que o boy gato que te traiu sei lá quando. O coração partido a gente costura com livros e um pouquinho de cabernet. Aí fica invencível e não tem quem possa destruir sua vida.

Que alegria saber que tem muita menina por aí nos dias de hoje sendo influenciada por Manu. O resto não passa de memória.

Você pode discordar de mim no Instagram.

Quando acha que entendeu, ela nem tá mais aqui

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL

Sobre a autora

Luciana Bugni é gerente de conteúdo digital dos canais de lifestyle da Discovery. Jornalista, já trabalhou na “Revista AnaMaria”, no “Diário do Grande ABC”, no “Agora São Paulo”, na “Contigo!” e em "Universa", aqui no Uol. Mora também no Instagram: @lubugni

Sobre o Blog

Um olhar esperançoso para atravessar a era digital com um pouco menos de drama. Sororidade e respeito ao próximo caem bem pra todo mundo.