menu
Topo
Luciana Bugni

Luciana Bugni

Anitta beija desconhecido e todo mundo fica com saudade de ser solteiro

Universa

27/09/2018 04h00

Quem desdenha está com inveja, já diria minha avó (Foto: Reprodução)

Antigamente, a vida adulta da mulher se dividia em duas fases: procurar um namorado e reclamar dele. Hoje, o feminismo e as conquistas das mulheres avançaram – percebemos que não precisamos fazer coisas que achávamos que deveríamos. Uma delas é procurar um namorado desesperadamente, como se essa fosse a última oportunidade de ser feliz.

Depois de uma separação, curtir aquela tristeza infinita, tomando sorvete e chorando enquanto assoa o nariz no travesseiro? Anitta mostra que malandra que é malandra não precisa se boicotar desse jeito. Aliás, não deu nem três semanas que ela se divorciou e já saiu logo beijando desconhecido na boca, do jeito que o povo gosta.

Veja também

O jeito de beijar, no entanto, é diferente de nós, meras mortais. No prêmio Multishow, um rapaz (Leandro, vocalista na banda Atitude 67, de Goiás) subiu no palco e lascou um beijo nela. A cantora correspondeu – depois pareceu meio tímida. Tatá Werneck, que dividiu com ela a apresentação, e Luan Santana, que estava no palco recebendo um prêmio, ficaram com aquela cara de amigo na badala: não tem muito o que fazer, não dá para sair andando, ou você vai se perder da amiga… o jeito é esperar o beijo acabar mesmo olhando o feed do Instagram.

Olha a cara dos amigos na balada… (Foto: Reprodução)

E, quando terminou, Anitta ficou com aquela cara de "OPS, SERÁ QUE ALGUÉM VIU ISSO?" O que não fazia muito sentido, já que ela estava num evento ao vivo, em cima de uma palco, com plateia e transmissão na TV e internet. Ou seja: um monte de gente viu. E isso está longe de ser um problema, ela está solteira, beija quem quiser, onde quiser.

E, como ela é a Anitta, pode até beijar no horário do expediente. Leandro afirmou para a reportagem do UOL que um empresário dela o procurou para dizer que a cantora estava de olho e ele foi atrás. Ou seja, é a vida que todo mundo sonhou, mas ninguém comenta por que pega mal. E quem diz que pega mal – tem um monte de gente falando que isso não é postura de mulher correta – é porque está morrendo de saudade de fazer igual. Desdenha porque quer comprar, como dizia minha avó.

Zezé pensando: "coragem eu tenho, não tenho é sorte" (Foto: Reprodução)

Que surpreendente pensar que é OK ser solteira. Que inovador descobrir que mulher solteira pode beijar quem quiser. A situação ali, pode até ter sido combinada, mas mesmo assim, qual o problema?

Lógico que passar os dias sem um companheiro não é beijar alguém todo dia – nem a Anitta que é a Anitta deve fazer isso. Quando a gente fecha a porta do apartamento na sexta-feira à noite, cansada do trabalho, pode dar uma tristezinha de pensar que ninguém vai entrar. Mas não precisa durar muito: ser solteira em tempos de Netflix é muito mais fácil. Tem sempre 398 episódios de 27 séries pendentes para botar em dia simultaneamente. Quem vai sentir saudade de ter um par quando tudo o que você precisa é de: edredon, pipoca e conexão de internet?

Anitta disse que se sentiu numa micareta, beijando um desconhecido. Ser solteira pode ser uma micareta mesmo, seja para quem quer dançar livre de cobranças, para quem quer se divertir com os amigos, para quem quer beijar na boca e até para quem quer maratonar uma série tranquilinha em casa. A mulher pode fazer o que ela quiser.

Caetano curtiu isso (Foto: Reprodução)

 

 

 

Sobre a autora

Luciana Bugni é jornalista e escritora. Vive entre quatro rapazes, muitas bolas de futebol e uma gata, descomplicando a vida e parindo ideias. Edita conversas antigas (é cada resposta que a gente poderia ter dado...), cardápios e reportagens na Universa, aqui no UOL. Já trabalhou na “Revista AnaMaria”, no “Diário do Grande ABC”, no “Agora São Paulo” e na “Contigo!” e se especializou em jornalismo feminino popular. Acredita no amor, que mostarda melhora tudo e que as madrastas são uma classe injustiçada pela literatura infantil.

Sobre o Blog

Um olhar esperançoso sobre a geração que está com 30 e poucos anos, recorrendo aos apps de paquera na marra ou tentando salvar o segundo casamento com todas as forças. E enquanto isso, trabalha, cria pessoinhas e faz de tudo para se divertir (desde que o samba é samba é assim).