menu
Topo
Luciana Bugni

Luciana Bugni

Susana Werner e Julio Cesar: qual o papel da mulher no sucesso do marido?

Luciana Bugni

23/04/2018 12h18

Julio e Susana: ela desabafa, mas sempre elogia o marido (Foto: Reprodução/Instagram)

 

Segunda rodada do Brasileirão, o grande assunto do fim de semana foi a despedida de Julio Cesar dos gramados depois de três meses no Flamengo — um presente que ele se deu como encerramento de carreira. Muito se falou sobre o jogador: choro emocionado, homenagens e gratidão da torcida, lamentos pelo azar nas Copas (ou foram as Copas que tiveram azar sem ver seu brilhantismo?). A carreira de Julio Cesar é incontestável. Ele é respeitado no mundo, por todas as torcidas. Um trabalho linear, sem grande sobressaltos, sem escândalos, sem nada que manchasse sua reputação. Nem tomar sete gols numa Copa em casa (foi a mulher, Susana Werner, que o impediu de abandonar a carreira ali). Não dá para contestar que ele é um grande jogador. Pois bem.

Na época em que veio ao Brasil, há três meses, Susana chamou atenção por lavar roupa suja na internet. A ex-atriz chorava por não ter sido sequer consultada por ele sobre o que ela achava de saírem de Portugal, onde moram e construíram a vida. No fim das contas, decidiu ficar — a vinda dele estava programada para o dia seguinte. A internet se dividiu entre quem achava que ele tinha errado de não falar sobre uma decisão tão importante para a família (e eu concordo com essa parte) e quem achava que ela tinha viajado de expor problemas matrimoniais publicamente (eu também concordava com essa parte, mas agora não tenho mais tanta certeza).

Voltamos a esse fim de abril em que Julio Cesar se despede das metas. Susana volta à internet, dessa vez para parabenizar o marido por tantas conquistas, por tantas glórias, por um retrospecto brilhante e… também para dar aquela chorada básica nas redes sociais. "Eu o sigo há 17 anos, sempre preocupada se ele está se cuidando, principalmente antes dos jogos", ela disse.

"Não é egoísmo ela falar dos problemas dela na hora da despedida do cara? É o momento dele!", alguém me perguntou. E quando seria o dela? Não dá para saber. Pelo que ela diz, é agora: "eu também mudarei o meu foco: que era a sua luta. Sim, vivi cada momento dela, ganhei e sorri, perdi e sofri contigo. A partir de amanhã, espero poder colecionar grandes momentos ao seu lado, com nossos filhos, amigos e familiares", desabafa.

Susana era um rostinho bonito na Globo antes de começar a namorar jogadores de futebol. Se ela teria deslanchando e se descoberto um talento das artes dramáticas, não podemos saber. Mas também não dá para dizer que ela não teria despontado — taí a desacreditada ex-BBB Grazi para mostrar que a mulher bonita pode, sim, evoluir na carreira e calar a boca de todo mundo.

A questão é que Susana nunca vai saber o que teria sido a própria carreira porque ela desistiu de seu projeto pessoal para cuidar da família que queria formar com ele. Foram inúmeras mudanças de país, a preocupação, como ela cita, com a adaptação das crianças na escola, o cuidado com a saúde do marido, desde conselhos para não enfiar o pé na jaca até pedidos para arrumar a postura no sofá. "Ah, mas ela sabia que seria assim", me disse outra pessoa. Sabia? Eu também "sabia" que ter filho era difícil, mas só soube mesmo depois de ter. Julio Cesar, aliás, segundo conta a mulher, só conheceu um de seus filhos quando a garota tinha um mês de vida. Essa mulher enfrentou um parto e o puerpério sem o pai da criança ao lado — por mais apoio que tivesse, a presença do pai é fundamental, a gente sabe.

E se agora, tantos anos depois de tanta dedicação à carreira de alguém, Susana deitou a cabeça no travesseiro e ficou de bode? Não tem um Maracanã lotado a aplaudindo. Não tem homenagens de torcida para ela. Não tem grandes matérias homenageando o papel da esposa do goleiro na carreira brilhante que ele teve. É o momento de Julio Cesar. Mas e o de Susana? Ah, mas ela é rica, ela não tem do que reclamar. Mas e se ela quer mais do que usar joias, pintar o cabelo e fazer a unhas? E se ela quiser que o mundo gire em torno dos dois da mesma maneira — e não apenas da profissão do homem que ela ama?

Ok, redes sociais não são o lugar de reclamar. Até concordo. Mas se ela, pessoa pública, não tivesse chamado atenção para esse fato, estaríamos aqui, eu e você, discutindo o assunto?

Sobre a autora

Luciana Bugni é jornalista e escritora. Vive entre quatro rapazes, muitas bolas de futebol e uma gata, descomplicando a vida e parindo ideias. Edita conversas antigas (é cada resposta que a gente poderia ter dado...), cardápios e reportagens na Universa, aqui no UOL. Já trabalhou na “Revista AnaMaria”, no “Diário do Grande ABC”, no “Agora São Paulo” e na “Contigo!” e se especializou em jornalismo feminino popular. Acredita no amor, que mostarda melhora tudo e que as madrastas são uma classe injustiçada pela literatura infantil.

Sobre o Blog

Um olhar esperançoso sobre a geração que está com 30 e poucos anos, recorrendo aos apps de paquera na marra ou tentando salvar o segundo casamento com todas as forças. E enquanto isso, trabalha, cria pessoinhas e faz de tudo para se divertir (desde que o samba é samba é assim).