menu
Topo
Luciana Bugni

Luciana Bugni

Signo do mês: Áries é melhor ficar longe deles

Luciana Bugni

27/03/2018 05h00

O Homem de Ferro é quente o suficiente para você? Robert Downey Jr. é ariano, claro (Foto: Divulgação Marvel)

Fogo. Parece o elemento mais interessante, visto que você não ia querer se relacionar com um avoado, ou com um aguado, ou com um muito pé no chão. Certo? Assim sendo, à primeira vista, um ariano bem diagramado é irresistível. Certo? Certo. Ainda mais sendo esse ariano um homem que, por essência e excelência, não mente jamais. Certo? Hm… Bem…

Se ele te diz que você está linda, você está linda. Se ele sussurra que você é gostosa, comemore o efeito da academia. Se ele diz que está apaixonando por você, ele está se apaixonando mesmo por você. O ariano é sincero. Muito sincero. Enquanto interessa para ele.

Veja também:

Qual o signo mais infiel do zodíaco? Descubra no ranking da infidelidade
Ascendente: Você sabe como esse 'segundo' signo influencia sua vida?
Mercúrio está retrógrado! Entenda o que é e como seu signo será afetado

Acontece que não significa que ele vai dizer toda a verdade. Vai omitir, por exemplo, que há algumas garotas na porta da casa dele. Vai omitir onde almoçou ontem. Sendo que foi com uma amiga de faculdade que ensinou grande parte do que ele sabe sobre sexo – e ele sabe muito. Vai omitir que, depois daquela cerveja com os garotos passou em outra casa para garotos. Talvez isso não incomode, mas o que parece positivo, é bom aprender, pode se tornar pesadelo.

Vai haver um dia, depois de um tempo mínimo de estabilidade, que o ariano vai chegar com uma novidade. Ele vai passar um tempo em Buenos Aires. Mas porque Buenos Aires?, você vai perguntar estarrecida. Ele não vai ter argumento mais convincente do que o que ele precisa ir para algum lugar e Buenos Aires é perto… eles sempre precisam ir para algum lugar. E, quando você estiver tranquila, achando que foi melhor assim, ele que se divirta treinando para meia maratona em Puerto Madero, vem a bomba. Ele vai voltar.

Pode ser três dias depois, quando o dinheiro acabar (está difícil morar em outro lugar até pagando em peso…), pode ser seis meses depois, quando a saudade apertar, pode ser três anos depois, porque deu na cabeça dele e aquele teatro em San Telmo para 22 pessoas perdeu a graça. Um ariano sempre volta. Você já viu uma fogueira estável? Não, o fogo sempre está de um lado para o outro, queimando outro lugar amanhã. Frio você não passa. Mas paz também não tem.

Sim, eles vivem o drama –cientes, sem nenhum peso na consciência, de quem vive o drama é quem vive com eles– de ter mil fogueiras para alimentar em mil lugares ao mesmo tempo. É família, é amigo, é trabalho e ainda tem eles mesmos. E o ego é grande, haja lenha… Não à toa, o fogo esmorece. Então você vai escutar tantas vezes o "vamos terminar", que vai parar até de se importar com isso.

Ariano vai, ariano volta. E no meio disso, dá-lhe gritaria, ataque histérico, drama. Você se cansa tanto que começa a se adiantar dizendo que eles têm razão. Adianta o que contestar? Aí voltam, lindos, sensuais, e abanam o fogo. E colocam a culpa em você. E pior, você acredita na faísca. Vai levando daquele jeito, sem perceber que o frio que congelou sua alma é irreversível, a chama se apagou. Eu tenho dois medos na vida: de barata e de me apaixonar por um ariano. Deus me livre.

Aí menina, é hora de você mesmo acabar com tudo, colocando naquela sua mochila velha o amor próprio, antes que tudo vire cinza. Seja valente: sou mais você. E esse tal de fogo que arde sem se ver não é para ninguém que tenha feito pelo menos uma boa ação na vida.

PS: Essa é uma obra de ficção, sem qualquer embasamento científico ou astrológico. Qualquer semelhança com fatos, homens, namoros, casos e canalhas da vida real será mera coincidência.

Sobre a autora

Luciana Bugni é jornalista e escritora. Vive entre quatro rapazes, muitas bolas de futebol e uma gata, descomplicando a vida e parindo ideias. Edita conversas antigas (é cada resposta que a gente poderia ter dado...), cardápios e reportagens na Universa, aqui no UOL. Já trabalhou na “Revista AnaMaria”, no “Diário do Grande ABC”, no “Agora São Paulo” e na “Contigo!” e se especializou em jornalismo feminino popular. Acredita no amor, que mostarda melhora tudo e que as madrastas são uma classe injustiçada pela literatura infantil.

Sobre o Blog

Um olhar esperançoso sobre a geração que está com 30 e poucos anos, recorrendo aos apps de paquera na marra ou tentando salvar o segundo casamento com todas as forças. E enquanto isso, trabalha, cria pessoinhas e faz de tudo para se divertir (desde que o samba é samba é assim).