PUBLICIDADE

Topo

Luciana Bugni

Fique longe deles: signo do mês, um pisciano é sensibilidade demais...

Luciana Bugni

03/03/2018 05h00

John Frusciante: uma guitarra na mão e muita sensibilidade na cabeça (Arte: Marília Filgueiras)

 

De alguma forma, em muito pouco tempo, o pisciano vai fazer você acreditar piamente que é a coisa mais importante que já aconteceu na vida dele. Pode ser gravando um disco para você, pode ser fotografando você escondido enquanto apoia a câmera na mesa, pode ser terminando o namoro anterior para ficar com você, pode ser passando a maldita noite acordado só para te ver dormir *suspiro*.

Mas ao se envolver com essa gente de Peixes, amiga, que é geralmente bem charmosa, lembre-se de um fator importantíssimo: ainda que pareçam perfeitos, inofensivos, eles são perigosos.

Pois bem. Lá está o pisciano, que entrou na sua vida ontem, se enfiou na sua vida de tal forma, e hoje, 20 horas depois, quando ele acabou de sair da sua casa — piscianos são dados a grandes imersões deles mesmos e talvez seja o elemento viciante em si — você tem a absoluta certeza de que é plenamente impossível viver sem eles.

E no dia seguinte, eles ligam, e digo mais: eles têm uma justificativa para não terem ligado antes. E se você é dessas que não gostam de homem que gruda, saiba: vai querer que um pisciano grude mais e mais até que ele a leve para o altar e sua mãe assista a cena satisfeita, esfregando uma mão na outra. E ele vai olhar para você com a cara mais charmosa do mundo e você vai ter certeza de que só pode ficar com ele por pelo menos o resto da vida. E sua mãe vai respirar aliviada, achando que finalmente você endireitou.

Acontece que… imagine um peixe. Um peixe curioso, que gosta da superfície, mas vive mesmo é na escuridão do fundo do mar. Ele vai voltar para lá, amiga. Ele vai deixar de te olhar a noite toda para olhar o teto, as panelas, o National Geographic Channel, o próprio umbigo, o "Jornal Nacional", um monte de mistério que você, que não vive embaixo d'água, NUNCA vai entender.

E querer entender isso é o maior dos suicídios em se tratando de um pisciano. Respeite o espaço desses rapazes que não, não podem viver fora da água fria. Aproveite a parte boa — mesmo que for por quatro horas. Será maravilhoso. E saiba que uma vez escamada por essa raça adoravelmente misteriosa, você vai passar o resto da vida tentando entender como é que faz para viver sem eles.

Sobre a autora

Luciana Bugni é gerente de conteúdo digital dos canais de lifestyle da Discovery. Jornalista, já trabalhou na “Revista AnaMaria”, no “Diário do Grande ABC”, no “Agora São Paulo”, na “Contigo!” e em "Universa", aqui no Uol. Mora também no Instagram: @lubugni

Sobre o Blog

Um olhar esperançoso para atravessar a era digital com um pouco menos de drama. Sororidade e respeito ao próximo caem bem pra todo mundo.