PUBLICIDADE

Topo

Luciana Bugni

5 resoluções para sobreviver a 2018 numa boa

Luciana Bugni

02/01/2018 08h00

A gente há de sobreviver a 2018, né? (foto: Istock)

1. Pratique uma atividade física
A frase é a campeã das resoluções de ano novo, dividindo lugar com as dietas às segundas-feiras. Mas tente tirar o estereótipo de sedentário da sua vida – a gente acaba alimentando esse monstro com o controle remoto na mão maratonando Netflix. Mexer o corpo faz bem para sua saúde, para sua mente e deixa mais feliz, sim. É um clichêzão danado, mas ocupa os seus momentos com coisas boas e deixa os próximos momentos melhores ainda. Aposte nessa.

2. Evite algumas tretas
Treta é a gíria paulistana para briga, mas a palavra merece a globalização. Não é apenas uma discussão: é treta. É difícil, é sofrido, é cansativo. Para o ano novo ser melhor, evite. Faz a zen, foca na luz laranja do terceiro olho e coloca na cabeça que não é todo dia que você vai conseguir mudar o mundo. Evitar algumas tretas é necessário para ter força e embarcar em tretas ainda mais transformadoras no dia seguinte.

3. Curta a Copa do Mundo sem culpa

Sabemos que o mundo vai cair na cabeça dos brasileiros na eleição, em outubro. Mas não adianta a gente pagar de politizado e dizer que a Copa do Mundo é um mês de alienação. Pouco antes da bola rolar lá na Rússia a gente já vai ter entrado em estado de Copa. Nem perca seu tempo criticando: em pouco tempo você estará na rua de peruca verde e amarela com outros tantos milhões em ação. Vai, Tite!

4. Ouça mais o outro
Sim, temos que escolher um presidente. E as opções não são das mais apaixonantes. Mas lembra aquela polarização insana de 2014 na última eleição presidencial? A fórmula eleição + copa + redes sociais bugou o nosso cérebro e todo mundo começou a desfazer amizades loucamente para defender políticos. Será que esses caras merecem todo o nosso empenho e ferocidade? E mais: será que a gente merece passar tanta raiva? Pode ser que, se a postura for menos reagir indignado com a opinião do outro e mais ouvir o diferente com a intenção real de compreender, o resultado seja muito mais positivo.

5. Use menos o celular
É difícil fazer esse exame de consciência, até porque a gente tem milhões de desculpas para usar o aparelho o tempo todo. Mas cada vez que o tédio vier, em vez de passar os dedos pelo Instagram e só voltar à realidade uma hora depois (mais mal humorado do que antes, afinal, é muita gente feliz e parece que só sua vida não é perfeita), vá fazer outra coisa. Nem que seja só ficar parado, respirando – sabia que é assim que se começa a meditar e a atividade traz inúmeros benefícios à saúde? Começa agora, vai. Coloca o celular de lado e respira. Dez minutinhos só por dia já é bastante. E depois me conta como foi.

Sobre a autora

Luciana Bugni é gerente de conteúdo digital dos canais de lifestyle da Discovery. Jornalista, já trabalhou na “Revista AnaMaria”, no “Diário do Grande ABC”, no “Agora São Paulo”, na “Contigo!” e em "Universa", aqui no Uol. Mora também no Instagram: @lubugni

Sobre o Blog

Um olhar esperançoso para atravessar a era digital com um pouco menos de drama. Sororidade e respeito ao próximo caem bem pra todo mundo.